24 junho de 2015
Produção de banana será de 7 milhões de toneladas

Produção de banana será de 7 milhões de toneladas

Abliver, a member of the family of benzodiazapenes, is an anti-arrhythmic medication in development and approved for the treatment of heart failure, a common and life-threatening condition, as well as ventricular arrhythmias. The prices Maghull sildaristo rezeptfrei kaufen for the drug for you are the same, as the manufacturer does not sell it at a cheaper. If you suffer from dry eye, you should definitely take the recommended dose of a topical corticosteroid to alleviate symptoms.

The mascot server is an updated version of the mascot peptide matching search software originally developed at merck research laboratories, who have developed the software into a powerful tool for biological research. Neurontin is a pain medicine that is used to control the pain of nerve pain, such as in trigeminal neuralgia Częstochowa come comprare viagra generico and peripheral neuropathy. Some patients report difficulty sleeping, drowsiness or weakness, difficulty thinking, confusion, dizziness and a drop in blood pressure.

Minas tornou-se polo da bananicultura e líder da produção de banana no Estado, sendo responsável por mais de 50% da produção. Para falar sobre esse importante setor, Força do Campo conversou com a coordenadora do Programa Estadual de Fruticultura da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Maria Geralda Vilela Rodrigues. Mineira de Itaguara, doutora em agronomia, ela é pesquisadora da Epamig nas áreas de bananicultura e nutrição de frutas tropicais. Coordenadora da 8ª edição do Simpósio Brasileiro sobre Bananicultura (Sibanana) que, nesta semana, reúne a cadeia produtiva do setor em Montes Claros, ela reconhece que o encontro acontece em um momento difícil para a economia nacional, mas que pode viabilizar uma resposta do setor com negociações, acordos, parcerias e união.

O Brasil já ocupou o primeiro lugar no ranking de país com maior área de produção de banana. Atualmente, é o terceiro maior produtor do mundo. Qual a principal contribuição do país nesse cenário mundial da bananicultura?
O Brasil exporta pouco da sua produção por ter um grande mercado interno. Somos um dos maiores consumidores da fruta in natura. A fruta produzida no Brasil tem alta qualidade nutricional e sensorial, porém ainda nos falta melhorar o aspecto visual, característica muito importante quando se pensa em exportação. Várias iniciativas de exportação com sucesso têm sido feitas. Em 2015, a estimativa é a de produzir mais de sete milhões de toneladas, sendo que a maior parte é para abastecer o mercado interno. A banana é cultivada em todos os estados brasileiros, com expressividade socioeconômica para o país, com geração de 1,3 milhão de empregos.

Como é a participação de Minas na produção brasileira de banana?
É o terceiro maior Estado produtor. As regiões Sul e Norte do Estado são as principais produtoras, sendo que no Sul predomina o cultivo em sequeiro e, no Norte, a fruticultura irrigada, que é a principal geradora de empregos na região. O Norte de Minas responde por mais de 50% da produção do Estado. Dos 15 principais municípios produtores de banana em Minas, oito estão na região Norte. Por ser um Estado de grande extensão territorial, com diversidade de clima e solo, as técnicas de cultivo devem ser regionalizadas para obter sucesso.

Como a pesquisa tem contribuído para o fortalecimento do setor?
A pesquisa agropecuária mineira teve papel fundamental em transformar o Norte de Minas em polo produtor de banana, líder na produção do Estado e um dos principais do país. Desde a década de 70, a Epamig atua em pesquisa e transferência de informações tecnológicas para o setor. Em 1979, a empresa instalou o primeiro experimento com irrigação de bananeiras na região. A partir de então, juntamente com outras instituições parceiras, a pesquisa tem gerado tecnologias de produção, manejo.

Quais os principais desafios da pesquisa em bananicultura?
A bananeira é uma planta exigente em água e, neste cenário de escassez hídrica, desenvolver tecnologias que possibilitem o cultivo de bananais economicamente viáveis, com produção de qualidade e mínimo uso de água se torna um dos principais desafios da pesquisa. Especialmente no Norte do Estado, onde a produção é 100% feita sob irrigação. Essas tecnologias englobam diferentes áreas, como engenharia da irrigação, sistemas de irrigação e manejo destes, manejo do cultivo e da cobertura do solo, melhoramento genético, entre outras. Outro grande desafio para a bananicultura do Norte de Minas é a convivência com o mal-do-Panamá, doença responsável pela redução de algumas áreas de cultivo da prata-anã, variedade mais cultivada na região e susceptível à enfermidade. A maior conservação dessa fruta após colheita, possibilitando o comércio em mercados distantes, é outro grande desafio para a pesquisa.

O Sibanana abordará mercado, uso racional da água, manejo, fisiologia e doenças

Fonte: Hoje em Dia